Papel Cult

Drops Review: Gaspar Claus, Useless Eaters e outros

dropsreviewimg2Useless Eaters – Hypertension

Gênero: Indie Rock / Origem: EUA

Gaspar Claus – Jo Ha Kyū

Gênero: Experimental / Origem: Japão

Kadavar – Abra Kadavar

Gênero: Hard Rock / Origem: Alemanha

Saint Pepsi – Hit Vibes

Gênero: Vaporwave / Origem: EUA

Kyary Pamyu Pamyu – Nanda Collection

Gênero: J-Pop / Origem: Japão

_____________________________________________________________

img1

Useless Eaters – Hypertension

As guitarras lo-fi do Guided by Voices, a bateria seca e oca do Fall, o catch power pop grudento do Cheap Trick, essa é a fórmula de Useless Eatters em seu Hypertension, tudo regido pela mente do jovem Seth Sutton, uma espécie de Ty Segall ainda a ser descoberto. Gravado no próprio quarto do músico, em um gravador simples de 4 faixas, Hypertension cativa pela honestidade de sua simplicidade, pelo rock com frescor adolescente, mas com um vigor que não cai na paridade boba e entediante de qualquer bandinha de revival. Hypertension é um disco sujo e puro, como bem deve ser; sem rodeios, sem firulas, mas consciente e seguro de suas limitações.

_____________________________________________________________

img2

Gaspar Claus – Jo Ha Kyū

Uma viagem livre, sem rumo, mas uma viagem maluca e contagiante, como um bom disco de EAI. O violoncelista parisiense Gaspar Claus tem a função de liderar e unir em um estúdio de Tóquio um grupo de nove músicos japoneses igualmente malucos e excêntricos: Eiko Ishibashi, Kakushin Nishihara, Hirochimi Sakamoto são alguns deles, também temos Keiji Haino e Ryuichi Sakamoto como figuras mais conhecidas. Juntos, eles dão vida a uma obra que poderia facilmente ser trilha sonora de um filme de horror japonês, sob os princípios do jo ha kyu, conceito de modulação e de movimento aplicado em diversas artes japonesas tradicionais, como poesia, teatro e artes marciais, Jo Ha Kyū (o álbum) parece realmente simular uma obra de terror. Keiji Haino fica encarregado de dar voz ao que seria um suposto personagem principal, com discursos agoniantes que mais parecem súplicas; o disco começa lento, acelera e acaba subitamente, a seguir a risca do jo ha kyu: um interessante estudo sobre a arte oriental.

_____________________________________________________________

img3

Kadavar – Abra Kadavar

Por mais que em certos momentos transpareça pose em excesso à música em si, o trio faz de Abra Kadavar uma boa mistura stoner/hard rock, algo entre Kyuss e ZZ Top, ainda que o blues característico dos barbudos texanos não figure tanto aqui. Falta um pouco de feeling – perdão pela expressão rockista – no trio, o grupo cria momentos interessantes mas falta punch, um carro-chefe que se sobressaia no disco como um todo, o álbum termina e… foi isso? Legal, mas… só isso? Mesmo com a instabilidade e falta de ímpeto roqueiro a sobrepor nostalgia rockista, Kadavar consegue agradar no que se propõe, no seu campo, no seu território, por isso o enquadro na média.

_____________________________________________________________

img10

Saint Pepsi – Hit Vibes

Pegue quinhentos gramas de anos 90, uma colher e meia de trechos de comerciais e filmes da época, dê o play na nolanização da música e deixe tudo em vocal slow motion; por fim, adicione um tiquinho assim de picaretagem: muito bem! Está pronto o seu vaporwave! A porção serve meia dúzia (o mesmo número de pessoas que ligam pra isso). Dica do chef: sal a gosto – coloque bastante pois acho que vai precisar no meio desse azedume todo destemperado. Alguns mais exaltados creditam transgressão artística ao maior movimento de sofá/laptop da Xuxa que presenciamos nos últimos anos, o que esses “músicos” vem fazendo sob a alcunha de vaporwave é de uma banalização artística ridiculamente irrisória – há exceções, óbvio, mas são raríssimas. Floral Shoppe ainda reina absoluto e…? Isso mesmo, não existe mais – James Ferraro, talvez? Internet Club, VIRTUAL não sei das quantas? Pfff… Saint Pepsi condensa a chatice do gênero (?) numa pista de dança de festa infantil com um aviso de “olha, também posso ser acessível!”, mas o programa é de índio – e daqueles. O vaporwave ainda permanece na sua condição de piada, espero algum dia mudar de opinião, por enquanto permaneço na mesma.

_____________________________________________________________

img11Kyary Pamyu Pamyu – Nanda Collection

Um comentário em “Drops Review: Gaspar Claus, Useless Eaters e outros

  1. Pingback: Recomendado: Jac Berrocal | Papel Cult

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 16/07/2013 por em Drops Review, Música, Resenhas.
%d blogueiros gostam disto: