Papel Cult

R.I.P. Lou Reed

Lou Reed On Stage

“O disco à frente de seu tempo, do fracasso e indiferença de outrora à consagração como um dos álbuns de rock mais influentes e criticamente bem-sucedidos da história, tudo isso só prova o quanto o conceito do que é “bom” não passa de um mero fragmento temporal e ético; o chavão “música é coisa de momento” sempre fez sentido para mim, não só o aplico à musica como a qualquer outro tipo de arte. Banido das lojas, recusado pelas rádios e revistas da época, eles só queriam mesmo era reproduzir o que seria o som da experiência psicodélica, pois acabaram por influenciar meio mundo de músicos e bandas.”

Escrevi o fragmento acima para uma seção especial de discos preferidos quando o extinto blog Vinyyyl ainda existia, essa lista que, até hoje, me mata de vergonha por diversos motivos bobos que prefiro poupar vocês. O meu breve comentário foi para a obra-prima do Velvet Underground, aquela, assinada por Andy Warhol e que hoje é o estandarte da cena musical alternativa. Mas o que me frustra nisso tudo é que, sinceramente, não sei como expressar melhor a ausência que Lou Reed deixa hoje para a música com essa sua partida tão repentina, sempre tive imensa dificuldade em falar dos artistas que admiro, mas aqueles que admiro além do aspecto limitante da música enquanto arte e observante da arte, talvez pelo sentimento de completa fraqueza que sinto diante de algo que foge de qualquer sentimento exposto em palavras. Nunca escrevi sobre Daniel Johnston, por exemplo, ou mesmo sobre Mark Linkous, arrisquei uma vez por conta de Bituca e sua turma da esquina, mas me arrependo até hoje; pois Lou Reed também entra nesse seleto grupo de fragilidade analítica que não consigo superar; de qualquer forma, deixo esse comentário, superficial e um tanto infantil, de uma época ainda crua de conhecimento, quando tudo não passava de diversão e descompromisso. Talvez um dia eu tome coragem.

E então, ele se foi em uma manhã de domingo…

2 comentários em “R.I.P. Lou Reed

  1. Pingback: O adeus de um gênio inconformado | Papel Cult

  2. Pingback: O adeus de um gênio inconformado | 4 Track

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 27/10/2013 por em Música e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: