Papel Cult

Melhores discos brasileiros de 2015

white_background

Charge editada por mim, originalmente produzida para o jornal Amazonas Em Tempo.

Por mais que eu tenha, digamos… um certo ceticismo (benéfico, é bom que se diga) na cena independente brasileira, 2015 foi um ano relativamente bom no meio musical. Tivemos alguns lançamentos interessantes, a nova vanguarda paulista se consolidando, cada vez mais, como um movimento forte, a ganhar gradativamente os ouvidos do mundo, ótimos festivais, como o Novas Frequências, que atualmente é o grande reduto da música de vanguarda brasileira; ou seja, foi um ano favorável. Não há muito do que reclamar.

Pois, comparando com os anos anteriores, este certamente foi o período que mais me dediquei aos lançamentos nacionais, tentando, aos poucos, ampliar o meu interesse e depositar maior atenção à cena, a exemplo do que ocorre nas grandes e pequenas publicações internacionais. Desta forma, listo aqui o meu top 50, contendo os melhores álbuns brasileiros que escutei em 2015, com comentários breves para os 10 primeiros colocados.

a0639668180_10

10. Satanique Samba Trio – Mó bad

Novo EP do grupo brasiliense Satanique Samba Trio. A fórmula é a mesma presente na discografia da banda, um regimento estranho e desorganizado do samba-jazz, algo que em nada lembra a gênese artística do gênero. O que o grupo faz aqui, na verdade, me parece a elaboração de um possível universo paralelo onde, o samba, ou melhor, a brasilidade em si, se desenvolveu de modo distinto, de forma meio defeituosa e exótica, sob uma carcaça bizarra da MPB que conhecemos.

Muito mais experimental do que o comum, porém utilizando-se de elementos populares da música brasileira, Mó bad é uma reformulação estética, uma proposta peculiar e interpretativa de algo que, bem… sempre fez mais sucesso lá fora do que propriamente no Brasil. Adicionando contornos de rock progressivo e avant-garde jazz, esse novo trabalho me parece até mesmo superior aos outros da banda.

trupe

9. Trupe Chá de Boldo – Presente 

O melhor representante da vanguarda paulista nesse ano de 2015. Melhor, até mesmo, que o disco-retorno de Elza Soares; a propósito, Presente, em determinados momentos, acaba lembrando vagamente (em seu instrumental soul-festivo) os primórdios da própria Elza. Se a nossa versão feminina de Louis Armstrong, regida pelos principais nomes da vanguarda paulista, descambou no quasi-experimentalismo de samba-rock, os paulistas da Trupe resolveram se aproximar mais de um clima de festa. Uma confraternização surrealista, porém.

A acessibilidade, aqui, não funciona como demérito, como pura entrega, e sim como um atributo de contágio, um adoçante sonoro à solenidade climática que o disco transmite. Enquanto Elza entrega-se mais ao contexto dramático e intenso de sua mulher do fim do mundo, um ato rebelde e emotivo, que pode muito bem ser questionado; a Trupe, por sua vez, propõe uma celebração de recomeço, de vínculo e partida (a partir) do término. Nas palavras do próprio grupo: o fim é só o começoDepois disso, bem… entramos em um ciclo comemorativo.

Desatino

8. Desatino – Entreguerras

Primeiro álbum de estúdio da banda campinense Desatino, é curioso como esse disco passou relativamente despercebido, até mesmo, pelas publicações mais voltadas à divulgação de conteúdo. Entreguerras se assemelha bastante aos principais lançamentos internacionais que, recentemente, tem optado pelo ressurgimento da mistura post-rock + real emo noventista, assim como vertentes mais aproximadas ao rock alternativo (lê-se post-hardcore).

Cantando completamente em português, Entreguerras tem uma produção que surpreende pra uma banda independente, oscilando entre uma estética progressiva, próxima a de um post-rock, com momentos ambient e alguns interlúdios, porém jogados sobre um contexto mais popular, com aditivos eletrônicos e que funcionam muito bem, sem soar de modo perdido ou mal utilizado. Certamente uma banda nacional para ficar de olho nos próximos anos.

a1849231146_10

7. Floema – Ishtar

“Ishtar […] é a deusa da fertilidade, do amor, da guerra e do sexo. Com o poder de gerar orgias ou guerras, ela compreende o erotismo em seu belo e em seu destrutivo, um misto de sagrado e profano no qual danças também podem ser batalhas.”

Primeiro álbum de estúdio do produtor Guilherme Boldrin, a mente que assina com o nome Floema, Ishtar, diferente de seu primeiro lançamento, o EP Ferrugem (2013), um dos melhores discos nacionais daquele ano, se constrói através de uma atmosfera mais nebulosa e enigmática, conduzindo o ouvinte pelos contornos da dualidade, dos sentimentos e sentidos rasteiros. Pois, atravessando uma linha sensorial entre o supremo e o mundano, Guilherme vem se consolidando como o representante brasileiro mais próximo que temos de um Haxan Cloak.

5840583

6. Juçara Marçal, Thomas Harres & Kiko Dinucci – Abismu

Disco ao vivo gravado por membros do Metá Metá e Passo Torto (Juçara Marçal e Kiko Dinucci) e da banda Letuce (Thomas Harres), Abismu se sai incrivelmente melhor do que tudo que ambos os grupos lançaram esse ano. Sendo, portanto, um disco colaborativo (e completamente improvisado, é importante dizer) durante um evento denominado Pulso, que ocorreu em São Paulo, no Red Bull Station, Abismu demonstra a força que os três músicos possuem em cima do palco.

Com o título retirado de um filme do cineasta Rogério Sganzerla, O Abismo, de 1977, o Abismu (enquanto disco) também carrega consigo uma espécie de espetáculo marginal, mas que agradavelmente se resume, tão somente, à abordagem intensa e significativa que a palavra possui, quase como um emprego adjetivo, limitando-se apenas ao campo estético, sensorial, não-discursivo. Ora, mas não é isso que importa?

b05cd0_69da15298d2f413fa8fab20f6295b86f

5. Ava Rocha – Ava Patrya Yndia Yracema

Ava Rocha se revela muito mais do que “apenas a filha do cineasta Glauber Rocha”, assim como o seu disco, Ava Patrya Yndia Yracema, não é meramente um dos melhores álbuns brasileiros do ano, mas um dos melhores lançamentos de 2015. Caminhando entre a psicodelia e o samba-jazz, Ava Patrya faz da musicista um dos nomes mais promissores da nova música popular brasileira.

Se a MPB, até então, se encontra (encontrava) num limbo de artistas pariformes, Ava certamente surge como uma alternativa fora do centro, muito mais interessante e com ideias melhores a contribuir com a nossa música.

a1981237049_10

4. Lingering Last Drops – Waterstains 

Waterstains é um bom exemplo de como se fazer música alternativa no Brasil, isso sem, obviamente, se render aos estereótipos e brasilidades que a maioria dos grupos acabam se submetendo. Banda paulista, com relativo tempo de estrada (e já alguns discos lançados), Lingering Last Drops é mais um caso de como a crítica nacional não funciona, ou pouco mostra interesse pelo o que acontece no underground.

Sem necessariamente ser uma banda completamente experimental, mas com um pé no inusitado, o Lingering Last Drops atribui uma modernidade que falta à música brasileira, assumindo um som acima de tudo contemporâneo, instigante, que flerta principalmente com o rock psicodélico, adicionando elementos de shoegaze e música eletrônica. Uma grata surpresa, que deveria receber mais destaque das publicações brasileiras.

438061988

3. Fabiano do Nascimento – Dança dos tempos

Certamente um dos álbuns mais elegantes de 2015. Fabiano do Nascimento, em colaboração com Airto Moreira, um dos nomes mais importantes da nossa música (ex-membro do Quarteto Novo, Return to Forever e integrante do Weather Report durante os anos 70), fazem de Dança dos Tempos um registro extremamente técnico, mas sob uma carga emotiva e nostálgica a lembrar os tempos áureos da história da música nacional.

É uma pena que, não só de hoje, mas em todo o seu processo evolutivo, obras como essa sejam melhor apreciadas e recepcionadas pelos olhares de fora, algo que não ocorre com tanta dedicação em solo nacional. Dança dos Tempos é o primeiro trabalho de um músico que, já em seu debut, nos mostra um potencial absurdo. A exemplo do seu companheiro Airto, Fabiano pode ganhar o respeito do mundo, mesmo que, nesse mundo, o Brasil tenha uma parcela menor de participação.

a0308002003_10

2. Gudicarmas – Dharma

Debut de uma banda pernambucana de rock progressivo que tem, como grande inspiração, o movimento brasileiro conhecido como “Udigrudi”, movimento esse que teve como alguns dos seus principais integrantes os músicos Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Zé Ramalho e a banda (infelizmente) pouco conhecida Ave Sangria. Pois o Gudicarmas consegue incorporar a temática brasileira e as características estilísticas do movimento de um jeito perfeitamente natural, espontâneo, diferente da funcionalidade adornante que domina boa parte da MPB contemporânea.

Também é possível identificar a exploração de elementos nordestinos que lembram o sentimento tão característico dos integrantes desse movimento, indo dos mais variados ritmos, desde o baião, presente em faixas como Eu, Ela e o Mar”,  até o dub e o reggae, mais fácil de identificar em passagens de “Palácio de Paloccis”, segunda faixa do álbum. Dharma, neste caso, não é somente um bom disco, mas um importante lembrete de um movimento que não teve tanto alarde quanto outros que tivemos em nossa história, mas que também gerou músicos igualmente importantes.

miltontamarear

1. Milton Nascimento & Dudu Lima Trio ‎– Tamarear

Milton conseguiu mais uma vez, transformou a música em espetáculo incomum, que transcende e afaga o espírito. Junto ao trio, basicamente de jazz, do baixista Dudu Lima, que já possui em sua bagagem colaborações com músicos nacionais de peso, como Hermeto Pascoal e João Bosco; e também internacionais, como Jean Pierre Zanella e Stanley Jordan, Milton cria, junto a Dudu Lima, uma nova abordagem para suas próprias canções, essas da época nostálgica do excepcional Clube da Esquina, dividindo com alguns momentos inéditos, como ocorre na belíssima faixa-título, em uma alusão a Dorival Caymmi e aos 35 anos do TAMAR, um projeto conservacionista brasileiro, que luta pela preservação de espécies ameaçadas de extinção.

A voz de Milton pode não ser a mesma de outrora; no entanto, Bituca ainda a utiliza com extrema emoção. Tão deslumbrante quanto as versões originais do Clube, as novas canções ganham contornos jazzísticos que, antigamente, eram menos característicos; em certos momentos também é possível identificar uma sonoridade meio pós-rock, principalmente quando Dudu Lima conduz a atmosfera da canção em longas tomadas instrumentais, sustentando uma obra que se constrói colossalmente, em tamanho e beleza. Como exposto, Milton pode não ser o mesmo, e seria ingenuidade esperar tanto, mas o novo Milton certamente está ciente dos seus limites, e com isso age em temperança, sabendo como domar a música em prol da excelência, da graciosidade que sempre lhe foi tão característica.

“Se Deus cantasse, seria com a voz de Milton.”

Elis Regina estava (e continua) certa. Não há como discordar.

 

[Top 50 com a capa dos discos]

Top 50

1. Milton Nascimento & Dudu Lima Trio ‎– Tamarear

2. Gudicarmas – Dharma

3. Fabiano do Nascimento – Dança dos tempos

4. Lingering Last Drops – Waterstains

5. Ava Rocha – Ava Patrya Yndia Yracema

6. Juçara Marçal, Thomas Harres & Kiko Dinucci – Abismu

7. Floema – Ishtar

8. Desatino – Entreguerras

9. Trupe Chá de Boldo – Presente

10. Satanique Samba Trio – Mó bad

11. Elza Soares – A mulher do fim do mundo

12. Dead Limbs – Lighthouse

13. Ricardo Donoso – Saravá Exu

14. Jaloo – #1

15. Descartes – Ensaio

16. Duda Brack – É

17. Tulipa Ruiz – Dancê

18. Feijão Coletivo – Feijão coletivo

19. Liniker – Cru

20. Juçara Marçal & Cadu Tenório – Anganga

21. Forró RED Light – Regional digital lumiado

22. Baleia – Ao vivo no Maravilha8

23. Esquizophanque – Trio elétrico fantasma

24. Monochaotique – Perceptions & Delusions

25. Karina Buhr – Selvática

26. Cadáver em Transe – Cadáver em transe

27. Vitor Almeida Lopes – Lara Kraft

28. Theoria – Vamos desistir do Brasil

29. Boogarins – Manual, ou guia livre de dissolução dos sonhos

30. Gorduratrans – Repertório infindável de dolorosas piadas

31. Cássia Eller – O espírito do som, Vol. 1 – Segredo

32. Instituto – Violar

33. Kovtun – Androginóforo

34. Metá Metá – Metá Metá

35. Solda – Trauma

36. Tomodachi – Segundo

37. Bruno Cosentino – Amarelo

38. Negro Leo – Niños Heroes

39. Aláfia – Corpura

40. Bixiga 70 – Bixiga 70

41. Passo Torto & Ná Ozzetti – Thiago França

42. Cidadão Instigado – Fortaleza

43. Zélia Duncan – Antes do mundo acabar

44. Synonyms of Torment – Leaves

45. Vitor Almeida Lopes – Obrigado

46. Kovtun – En vivo en Montevideo

47. Aline Lessa – Aline Lessa

48. Helio Flanders – Uma temporada fora de mim

49. Bemônio – Desgosto

50. Afogado e Oprimido – EP

 

Menção Honrosa

Siba – De baile solto

Horyzon – Horyzon

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: